domingo, 4 de novembro de 2012

I pee!

E pronto, lá aconteceu, numa pausa da escolinha, e talvez por estar uns dias seguidos em casa (mais uma malfadada otite) o M. finalmente um dia, lá me pediu por iniciativa própria para ir fazer xixi. Out of the blue! o que me surpreendeu. Uma vez foi no redutor, na sanita. Outra estava no redutor e pediu para ir para o bacio (ein? tás a falar a sério ó pulga pequena? nem acreditoooooo). E... fez!! das duas vezes! Fenomenal! Começo a acreditar na possibilidade de, ao contrário do que toda a gente me diz, o M. ainda conseguir largar as fraldas durante o dia até à próxima primavera.

terça-feira, 30 de outubro de 2012

Mudança da Hora


Era bom, muito bom mesmo, que as crianças quando chega a mudança da hora em Outubro, actualizassem automaticamente também o seu relógio interno.
5h da manhã é simplesmente cedo demais...
ZZzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzz...............

(a foto é de uma criança, mas quem lá devia estar era euzinha mesma) :)

quinta-feira, 18 de outubro de 2012

Os Chinelos


O M. já sabe calçar os seus chinelos :)
Anda muito entusiasmado a ensair a coisa  - porque para dizer a verdade eles estão um niquinho grandes e aquilo sai-lhe às vezes dos pés. Mas a verdade é que fez com que ele quisesse calçá-los sozinho. Umas vezes tenho de o ajudar. Mas já os vai calçando sozinho. É giro!
Está um rapazola traquinas.
2 anos e quase 3 meses.

quinta-feira, 27 de setembro de 2012

A Lua

Ultimamente, e porque já estamos no outono e escurece mais cedo, quando o M. vai dormir, já a casa anda de luzes acessas. Mas, fiel a mim própria e porque nunca fui fã de luzes artificiais (e ainda há alguma luz natural aquela hora), quando é para ele se ir deitar, apago as luzes todas da casa e fico apenas com as da rua. Fica um ambiente mais calmo, mais "molinho". Vou com ele ao colo, vou andando calmamente até ao seu destino de almofadas e lençóis.
Nos últimos dias tem havido uma grande novidade que descobri ser fantástica no meio de uma tentativa de distração para birras do "num qué fazé ó-ó nãoooo", enquanto esfrega activamente os olhos... (estes 3 últimos pontinhos sou eu a revirar os meus).
De repente, lembrei o M. que havia uma Lua! E todas as noites ele quer ver a Lua dos Quartos, depois a Lua da Sala, a Lua da Cozinha. Umas vezes vê-se, outras está escondida pelas nuvens. Passados minutos está de novo a espreitar. Para o M. aquilo é fabuloso! Para mim é fabuloso também porque para ele ainda é mais fabuloso.

Já descobriu que de manhã não há Lua. Também chegou à conclusão que:

"A lua tem luzzzzz"

Tenho a certeza que se pudesse, ele ia ver onde estava o interruptor :)

sexta-feira, 21 de setembro de 2012

Cócós

E pronto, um dia tinha de ser. Haveria uma primeira vez e estou muito orgulhosa do meu bonequinho. Ontem dia 20 de Setembro de 2012 o rapaz fez pela primeira vez, e a pedido, cócó na sanita (no redutor claro). Chichi e tudo o resto nem pensar. Mas já não era a primeira vez que ao deitar-se dizia que tinha cócó, eu ignorava porque me soava a desculpa para sair da cama e não dormir, e depois ele fazia. E nova fralda limpa há 2 minutos para o lixo (é uma frustração). 
Ontem quando ele disse a palavra mágica lá fui eu calmamente colocá-lo no sítio, um bocado descrente. E não é que fez mesmo?! Foi uma festa! rimos muito, bati muitas palmas, elogiei-o. A ver se a cena se repete mais vezes.


De resto e para meu registo:
2 anos e quase 2 meses - uma gralha, fala que se desunha, teimoso que nem uma mula, já bebe o leite sozinho mas demora séculos porque vai falando nos entretantos, dá abracinhos muito bons, já vai pedalando o triciclo (com os pedais) uns segundos, já consegue dar um beijinho (cheio de baba e boca aberta) na cara das pessoas (mas só a pedido). Factor negativo - os terrible two, como chamam a esta fase, chegou definitivamente. Quase todas as manhãs há alguma crise: ou não quer meter a fralda e dá pontapés, ou não quer vestir a t-shirt ou o casaco e depois foge e desafia e é o cabo dos trabalhos. É uma luta comigo quase a prendê-lo tipo camisa de forças para fazer o que EU quero e não o que ELE quer. Não é fácil e logo de manhã é dose... Espero que isto passe rápido.
De resto: fofo e lindo.

quinta-feira, 2 de agosto de 2012

2 aninhos

Pois, é estou sem pecua (leia-se computador na linguagem do m.). Por isso tenho estado mais caladinha, mas não menos activa.

Entre baptizados, muitas leituras à noite, visitas de uma grande amiga, mais energia e menos cansaço, o meu bidu, o meu amorzinho de nome com sabor a mel fez 2 aninhos. 

Está numa fase muito mimada, mas deliciosa ao mesmo tempo. Não me quer largar de manhã quando o deixo na creche, quando chego vem a correr para mim todo contente, adora os meus miminhos, corre por todo o lado numa grande excitação, está com grande sentimento de posse em relação a tudo "é meu! meuuuu!!", chora e atira coisas ao chão sempre que é contrariado (mas passa-lhe rápido), quando lhe ralho vem muito choroso pedir colo, adora que lhe conte histórias ao deitar, depois de 2 dias a cantarem-lhe os parabéns já sabe a canção de cor, já brinca como um rapazinho crescido a colocar 2 bonecos num carro e a dizer que eles vão passear (entre outras brincadeiras), dá colo aos bonecos, dá beijinhos quando eles têm dói-dói, dá-me beijinhos se lhe aponto um sítio e digo que tenho dói-dói (mas nunca dá se é só por dar), anda mais birrento para comer (mas quer sempre petiscar dos outros), agora no banho adora meter a cara na água e borbulhar e depois diz o nome do meu primo hehe (viu-o a fazer isso aqui há tempos na piscina e achou o máximo), adora brincar na banheira com os seus patos no escorrega, fica com ciúmes se me vê a pegar noutro bebé, é uma gralha, não se cala, adora dizer o que vê e enquanto nao lhe respondemos algo insiste em repetir, não está quieto enquanto o visto de manhã (a não ser que esteja muito distraído com algum brinquedo) e começa a ser um hábito ir vestindo-o em andamento lol. Sempre que está comigo insiste muito em ter a chucha, mas eu lá vou explicando que a chucha é para os bebés e para as horas do soninho, e a coisa lá é processada naquele pequeno grande cérebro e ele acalma. Agora o seu ritual à noite, antes de se deitar, apenas se se consegue escapar para a sala, é atirar-se para o sofá e esperar por muitas cócegas e risadas, adora! :) Ah e já ando a conseguir lavar-lhe os dentes, claro que eu também tenho de lavar, e ele lava-me a mim e eu a ele, etc, e a coisa assim vai.

Ai, ai, aquele boneco faz com que rebente de orgulho!!


Outra curiosidade: esta semana ajudei (juntamente com mais malta) um rapaz espanhol a pedir a namorada em casamento. Eles estavam num barco a passear e nós segurávamos ao longe uma faixa gigante a dizer Helena Te Amo (pintada por nós). O plano era ela ver aquilo e depois ele pedia-a em casamento. E assim foi. Foi muito giro, muita excitação! É bom ver as pessoas felizes! Não me importo de participar em mais eventos destes :) Muito muito giro! Uma boa e romântica ideia de pedir alguém em casamento.

quinta-feira, 28 de junho de 2012

Eu Gollum me confesso...



Ou não?... Sou uma Gollum. Mas é por isso que tenho de aturar comentários injustos? Aqui vai um post algo mal-humorado querido diário:

Volta e meia (mais frequentemente do que gostaria) lá tenho de ouvir os ocasionais "conselhos" "sábios" de alguns familiares. Desta vez, pela segunda vez na mesma semana, lá tive de ouvir a mesma conversa sobre o facto de ser bom o M. "conviver com outras pessoas". Outras que não eu... claro.
Chego a sentir-me insultada com este tema.
Bule-me com os nervos.
Uma das frases basicamente foi "ele está muito menino da mamã. Mal a A. no outro dia se foi embora ele queixou-se, chorou um bocado e tal, mas depois, mais tarde, ao pé das outras pessoas, ficou logo mais solto." (não é normal?)
Conclusão?
E mais uma vez para ver se me entra: "É bom que ele conviva com outras pessoas."
Portanto e pela milésima vez - é bom que ele conviva com outras pessoas!

O que depreendo daqui então é que, estar com a mãe só lhe faz mal e impede-o de "socializar" como deveria. Detesto ouvir estas isto, detesto que me repitam a ver se eu me "convenço" de que tenho de "libertar" o M. da sua "gaiola de ouro" onde supostamente o mantenho. Provavelmente achariam que deveria andar a passear e exibi-lo todos os fds pelas casas dos familiares e amigos dos familiares, e amigos dos amigos. Gosto de "exibi-lo" sim, no sentido de estar com as pessoas e mostrar-lhes a maravilha de menino que está. Mas não quero fazer fretes e ter de socializar só porque sim. Não me apetece. Tenho a minha vida.

Devo ser vista como o Gollum, a agarrar o seu anel e dizer my precioussss LOLLLL

E efectivamente ele é o my precious, mas não tenho memória de o manter "cativo". Sou muito protetora sim. Isso nunca deixarei de ser e protegê-lo-ei como puder e souber. Estou é cansada destes comentários. Quem os diz não percebe que efectivamente magoam e surpreendem. Porque claramente não se vê o amor e dedicação por trás daquele rapazinho em formação. Ou então vê-se, mas pelos vistos é demasiado, é sufocante. O M. está com quem tem de estar. Essencialmente com a mãe, com o pai, com os avós. Depois com quem nos rodeia e estamos normalmente: primos, tios, amigos, vizinhos.

Menino da mamã...? 
Eu pergunto: e então?! ele nem 2 anos tem, e... está a viver basicamente com a mãe (alguém se lembra desse pormenor?!) que se desunha por lhe dar o maior carinho, amor e educação que sabe. Porque raio é que o rapaz leva logo essa designação? só porque quando o deixo com alguém e me vou embora, ele sabe que me vou embora e não quer ir, e fica ao meu colo abraçado? caramba... 

Cheira-me que se oiço novamente uma conversa destas, em vez de sacar o meu sorriso amarelo e ter apenas um balão de pensamento cheio de asneiras sobre a minha cabeça, vou ter uma reação mais... seca. E que se lixe o ser polite em nome da harmonia.

segunda-feira, 25 de junho de 2012

Mimos

O M. está quase a fazer 2 anos. E nesse tempo têm havido várias fases em relação ao deitar. A última foi o M. gostar e gozar o colinho e as canções e quase adormecer ali. Era a "canção do menino" (a da Madalena Iglésias, sempre soube esta canção de cor não sei porquê lol http://letras.mus.br/madalena-iglesias/538258/) e a canção do barquinho (já a coloquei aqui algures neste blogue). Ficava quietinho a ouvir, pedia mais e assim se deitava.
Agora as "exigências" mudaram. Agora fica um bocado impaciente por ficar ali ao colo (noto que está mais cansado quando se deita) e atira-se para trás (estou  sentada na cama ao lado do berço dele) "deita, deita" de um modo que tenho mesmo de o deitar ali, e depois vem o "deita, mamã, deita".
Aproveito bem esses poucos minutos. Agora ele fica deitado ao pé de mim, a esfregar os olhos, a dizer que a porta está aberta, a dizer qualquer outra coisa e a mostrar muito cansaço. Ultimamente aninha-se mais, chega-se e eu cheiro-lhe o pescocito, dou-lhe muitos beijinhos que tocam o pescoço e o cabelito suave dele. Mesmo sem banho tomado cheira bem. É simplesmente o cheiro dele. Consigo cheirar-lhe a pele (por isso nem sou grande fã em colocar perfumes nos bebés) e sei que reconheceria o cheiro dele em qualquer lado. 
Nos últimos dias ele tende a virar-se para mim, fica a olhar, faz festinhas às vezes, dá longos suspiros. Eu fico com o braço em cima daquele corpito lindo, acaricio-lhe o cabelo, a cara. Mais suspiros. Hoje tinha a cara colada ao meu pescoço. É raro deixar-se estar tão quieto, mas acho que estava cansado e espero que também estivesse a apreciar os mimos.
Depois digo-lhe: "M. queres ir para a caminha?". Responde: "Xim". Pego-lhe ao colo e aqui vamos nós. Às vezes pede colo mais uma vez. Mas a maioria das vezes, se fiquei tempo suficiente deitada ao lado dele, aninha-se bem na sua camita. Eu deito-me na outra mais um bocado e fico a olhar p ele. É tão lindo e fofo... Está a ficar loirinho e com uns caracóis giros. Dá-me a mão por entre as grades. Tocamos os dedos um bocadito. Vai-me chamando volta e meia, vai dizendo outras coisas. Eu vou dizendo "soninho M., faz ó-ó". 

Hoje pediu-me a "canção vóvó"(foi baptizada hoje assim), uma canção que a minha mãe canta quando dá corda a uma tv de brincar (que era minha em pequena) e se ouve o "London Bridge is falling down) (http://www.youtube.com/watch?v=pyWnxaqy0bE) - se bem que a minha versão é 10 x mais curta. Eu canto: London Bridge is falling down, falling down, falling down, London Bridge is falling down, may fair lady, Row, row, row your boat, gently down the stream, Merrily, merrily, merrily, merrily, life is but a dream. Cantei baixinho e num tom mais grave. Eu até o via a pestanejar e a começar a adormecer muito quietinho :)

Depois lá saio e digo "até já", e ele "tchau", Quando desapareço mesmo ele choraminga um bocado, mas já está tão mole que acaba por adormecer uns segundos depois. E lá começa o resto da minha noite, feliz por estes momentos tão doces.

terça-feira, 19 de junho de 2012

Desaparecido

Hoje de tarde fui à praia como tinha planeado. Nenhumas das minhas amigas podia e acabei por ir com a minha mãe e com o M. Não fomos andar no paredão, fomos à praia, para a areia, o M. a meter os pés na água (mas a tirar 2 segundos depois porque estava "fiaaa"), o M. com ar meio enjoado a tocar na areia ao início (já o ano passado foi a mesma coisa) e depois a tratá-la já por tu e a colocar areia em cima de mim, em cima dele, em cima do que estivesse mais à mão. Foi curioso porque mesmo com a minha mãe ali (ele adora-a) queria sempre que eu lhe desse a mão (fosse para onde fosse) e depois queria sentar-se encostado a mim, entre as minhas pernas ("senta, senta!"). Deu para perceber que se eu estiver por perto ele sente que a sua segurança e conforto passam exclusivamente por mim. Embora queira criar um rapaz independente e seguro de si, acho que agora é normal essa atitude.

Mas dizia eu: estivemos na areia a brincar, a passear, etc etc. A certa altura um grande rebuliço. Um carro pequeno dos bombeiros e depois uma ambulância entraram na praia (e não podem entrar carros ali) e ficaram por trás de um café, por isso eu não conseguia ver nada. Os minutos iam passando.

De repente surge uma embarcação da Marinha. Depois uma mota de água (provavelmente deles também). Muita gente a agrupar-se na praia, mas eu não via onde estaria o problema. E então incrivelmente surge um helicóptero de pintura camuflada (Força Aérea?) a sobrevoar a praia (cheguei a pensar que ia aterrar) - grande excitação do M. com o "cópeto gandeee" - e depois a sobrevoar a água durante um bom bocado. Pensei várias vezes que ia aterrar, mas não. Sempre a voar muito baixinho, depois afastava-se, depois voltava.

A certa altura não aguentei mais, andei mais longe pela praia e fui até um grupo de bombeiros que estavam parados a conversar ao pé da água. Ao início não queriam dizer o que se passava (não sei porquê) mas depois um deles lá me disse "um miúdo desapareceu na água..."

:S

É de ficar gelada. Enquanto estava tudo ali na boa na praia, algures na água estava, ao mesmo tempo, alguém que ainda não estava morto o tempo suficiente para boiar, para vir à tona. Não faço ideia se era um miúdo que não sabia nadar e no meio da brincadeira com os amigos se foi afogando (muitas vezes as pessoas não se apercebem que há alguém a afogar-se, parece que estão a brincar, ou a agitar as mãos porque se preparam p ir ao fundo e tocar la com os pés e voltar acima), se era um miúdo que foi nadar sozinho, mas (se já era grandinho) bebeu umas cervejas, foi á água, teve uma congestão e não conseguiu gritar nem avisar que estava mal...
Não sei o que foi. Mas fiquei meio anestesiada e impressionada.
Que horror. Coitado dele. Coitados dos pais que àquela hora já estariam a ser avisados ou então até estavam ali à espera, sem grandes esperanças.
O mar não estava agitado, não estavam ondas, estava tudo calmo. Uma calma silenciosa e estranha. As pessoas a falar entre si, de pé, à espera que o barco, o helicóptero, ou a mota de água dessem algum sinal.

E assim, ao fim da tarde lá me fui afastando da praia, a ir embora, com o M. todo satisfeito a olhar para tudo, a chamar a minha mãe, a querer fazer festas nos cães que passavam. Espero que o meu bidu nunca se meta em sarilhos tão sérios... Ali estava eu contente com o meu boneco, a babar-me com tudo o que ele faz. E algures uns pais estariam já a ter um ataque de ansiedade, a sofrer, por causa do filho desaparecido na água. Naquele mar que estava tão calmo. Estavam todos tão calmos... Foi tão estranho. Não fosse as viaturas todas e era como se não se passasse nada.

Pergunto-me se já o encontraram. Só de pensar no rapaz ali debaixo de água a ser arrastado lentamente...

Vi agora estas notícias
http://www.tvi.iol.pt/noticia/sociedade/praia-jovem-desaparecido-oeiras-santo-amaro-tvi24/1354100-4071.html

Se calhar ainda não foi encontrado. Coitado. Para bem da família dele, espero que o encontrem brevemente.

Chineladas

Se há coisas que os miúdos nos dão é riso a toda a hora. Há umas horas atrás assisti a mais uma pérola que quero registar aqui :)

Desde um surto das traças que tive cá em casa (trazidas por um saco gigante de nozes) que o M. me vê a matar afincadamente cada bicho voador. Normalmente nunca pensamos que estes 90 cm de pessoa absorvem que nem uma esponja TUDO o que fazemos.
Pois hoje, quando me estava a descalçar e depois a calçar as minhas adoradas pantufas, vejo o M. a correr imediatamente para mim e a querer tirar-me uma delas dos pés. Achei curioso dado que ele fica sempre muito aflito quando me vê descalça - quer sempre colocar-me os sapatos à força. A certa altura lá o deixei tirar a pantufa, à espera de ver onde ia parar aquela cena. 
E não é que vejo o migaio a correr rapidamente para a janela do meu quarto (onde estava ainda uma traça esborrachada que eu tinha morto no dia anterior) e a mandar umas afincadas e valentes sapatadas a ver se a matava. Exactamente como eu costumo fazer lolllll Zás, zás, zás... O sapato batia energicamente no vidro lolll O M. a imitar a mamã... lol
Lá tive de lhe tirar o chinelo porque ele estava mesmo empenhado e nunca mais parava (embora nao chegasse à traça) :) Foi lindo, lindo! ahahahahah

segunda-feira, 11 de junho de 2012

A Traça

Desde que o meu pai me trouxe cerejas e nozes lá do Norte, coincidência ou não, tenho assistido a uma verdadeira invasão de traças novinhas na cozinha. São pequenas e magrinhas. 
E tem sido o massacre total.
Já cheguei a matar uma. Depois passados uns minutos viro-me e zuca...outra! E mais tarde mais outra sapatada. Já estou farta delas. Mas quando é que aquilo pára?! o cesto das cerejas já está vazio e limpo, mas elas continuam a aparecer nem sei bem vindas de onde. É só na cozinha felizmente. Conforme as vou matando, se ficam bem esmigalhadas limpo-as completamente com um pano molhado. Mas há uma que ficou bem presa na parede... 
Levou com um sapato e só a parte de trás ficou colada à parede, o resto ficou quase levantado, é como se ela estivesse ali presa a olhar. Não consigo tirá-la dali... Cada vez que passo e dou com ela estremeço de nojo. Arghhhhhhhh é mesmo horrível aquela traça... Parece que está sempre a olhar para mim. Vejo-lhe as antenas, as patas. Está mesmo ao nível dos meus olhos e persegue-me. Ahhhh! Chego a sentir arrepios. É como se estivesse num filme de terror. 
De repente ela regressa dos mortos, começa a descer lentamente a parede, a coxear tipo zombie, e implacavelmente segue-me para onde vá. Não consigo escapar e finalmente, à medida que ela se vai aproximando, começa a crescer ao ponto de ficar do meu tamanho e a sua bocarra agarra-me a cabeça. R.I.P Exterminadora de Traças. É a vingança por tanta maldade a tanta traça.

A Traça

Desde que o meu pai me trouxe cerejas lá do Norte, coincidência ou não, tenho assistido a uma verdadeira invasão de traças novinhas na cozinha. São pequenas e magrinhas. 
E tem sido o massacre total.
Já cheguei a matar uma. Depois passados uns minutos viro-me e zuca...outra! E mais tarde mais outra sapatada. Já estou farta delas. Mas quando é que aquilo pára? o cesto das cerejas já está vazio e limpo, mas elas continuam a aparecer nem sei bem vindas de onde. É só na cozinha felizmente. Conforme as vou matando, se ficam bem esmigalhadas limpo-as completamente com um pano molhado. Mas há uma que ficou bem presa na parede... 
Levou com um sapato e só a parte de trás ficou colada à parede, o resto ficou quase levantado, é como se ela estivesse ali presa a olhar. Não consigo tirá-la dali... Cada vez que passo e dou com ela estremeço de nojo. Arghhhhhhhh é mesmo horrível aquela traça... Parece que está sempre a olhar para mim. Vejo-lhe as antenas, as patas. Está mesmo ao nível dos meus olhos e persegue-me. Ahhhh! Chego a sentir arrepios. É como se estivesse num filme de terror. 
De repente ela regressa dos mortos, começa a descer lentamente a parede, a coxear tipo zombie, e implacavelmente segue-me para onde vá. Não consigo escapar e finalmente, à medida que ela se vai aproximando, começa a crescer ao ponto de ficar do meu tamanho e a sua bocarra agarra-me a cabeça. R.I.P Exterminadora de Traças. É a vingança por tanta maldade a tanta traça.

sábado, 9 de junho de 2012

O Ajudante

Tenho cá em casa um ajudante em ponto pequeno que gosta de estar na mesma divisão que eu e de ajudar. Adora ajudar a limpar com a "vaxoura amaela" e o "bade" a varanda da cozinha. Entra, sai, arruma a vassoura, descalça-se, volta a tirar a vassoura (que por acaso é uma esfregona), entra e sai 100 vezes, inventa 1001 coisas a fazer naquele espaço mínimo.

Também adora cozinhar. Enquanto eu estou a preparar alguma comida, já descobri que se lhe der uma frigideira ou panela pequena mais umas cascas de cebola ou coisa parecida - ah e uma colher de pau - fica ali horas a mexer naquilo ("que lindo M. cozinhas muito bem!"), tiras as cascas para fora, volta a pô-las dentro. Rasga as casas, umas tenta saborear, outras não. E assim se entretém muito bem.
Também adora dar-me a roupa para eu pôr a secar. O máximo! Vai buscar peça a peça e dá-mas enquanto eu estendo. Depois apodera-se das molas e passa a dar-mas (em vez da roupa). 
Desta vez, quando passei para outra varanda com um estendal baixinho, descobriu que é bem mais divertido colocar 7 molas numa só camisola. Assim não voa de certeza :)

Um grande ajudante este meu rapaz! Merece o bolo do Mickey Mouse que quero que tenha no seu 2º aniversário.

terça-feira, 5 de junho de 2012

Criatividade na comida


Diário do bébé

Novidade super fofa: o meu bonequinho fez hoje (na creche) cócó na sanita :) Foi por acaso claro, devia estar com vontade e por coincidência estava lá sentado. Que giro! Fiz uma grande festa quando me disseram. Fartei-me de lhe dizer que era um menino muito lindo por ter feito cócó na sanita. Conversa com ele ao fim do dia:
- M. quem fez cócó hoje na sanita?
- O Migaio! - dizia ele todo inchado. ahahahahahahaha
É um fofo. Adoro o modo como ele é safadinho, como já me meto com ele e ele comigo. E nem 2 anos tem, é fascinante como um pequenitates daquele já mostra aquela personalidade brincalhona. Farto-me de rir quando ele agora finge que não é nada com ele e depois está mesmo à espera que eu reaja na brincadeira. Por exemplo estou a chegar à creche, saio do carro para o tirar e quando abro a porta ele está de cabeça virada para o lado oposto numa de "isto não é nada comigo, mas estou a brincar contigo e tu já vais topar e vais-me fazer qualquer coisa tipo chamar-me safado e fazer-me cócegas" LOL E assim é: começo logo a perguntar se ele se está a fazer de dificil e a dar-lhe beijinhos naquele pescoço delicioso e ele desata-se logo a rir.
É o maior do clichés mas é verdade: as crianças são o melhor do mundo.
Mesmo quando fazem grandes birras ao chegar ao "carro mamã" porque querem ir para o volante...
O volante agora é uma grande paranóia. Desde que o sentei comigo, ele ao volante, que ficou rendido à arte de guiar. Tem tempo ainda.

domingo, 3 de junho de 2012

Raio da miúda da bicicleta

O meu bidu lindo foi atropelado por uma miúda numa bicicleta! Parva!! Como é que alguém que vem numa bicicleta bem ao longe de repente está ao pé do meu bébé, guiador na cara dele, ele no chão, roda em cima da perna dele, etc etc... Só me lembro do pai da miúda ir lá um bocado, nem me lembro da cara dele (acho q nem olhei para cima). Nem me lembro da cara da miúda de uns 5 ou 6 anos. Só sei que num passeio de uns bons metros de largura tinha logo de ir para cima do rapaz :(
Bem sei que estas coisas acontecem. Mas caramba.
Só mais tarde, já ele ao meu colo e mais calmo (a pedir bolachas) é que me lembrei que o raio da pai da miúda podia ter pedido desculpas e ter-se assegurado que ele estava bem.
O desgraçado ficou a sangrar da boca (lábio rebentado por dentro e por fora), com uma pernas com 3 cortes ainda fundos, um braço com corte, a testa com uma galo gigante e arranhado, o lábio de cima todo vermelho (amanhã se calhar fica negro). Só me apercebi de algumas destas feridas quando ele já estava no carro...
Parvos!! o meu bébé! o que valeu aquele pai e filha foi que eu estava muito concentrada em ver como ele estava. Se não tinha mandado vir um bocado. Que tal mais atenção e verificarem como estava o rapaz, e perguntarem se precisavamos de alguma coisa?!!
Tótós!!
Agora tenho um rapaz cheio de betadine por todo lado...
Parvos...

quarta-feira, 23 de maio de 2012

Dear God,



I know you probably will not listen to this because you now i'm not a true believer. But just in case you do in fact exist, even if just in people's minds and hearts because it helps them cope with life in general, please take some time to help heal this shitty infection on my baby's toe. It doesn't seem to be better and i just feel so helpless earing him complain in pain. He is so little, such a sweet little kid and i hate, hate, when the smallest thing it's not ok with him. 
So please, please, if you can ear me and bother to take some time of your precious time, just wisper and take that damn infection away.
I'll not promise you anything in return though, i can only promise to take care and love my baby the best way possible, as i always have.

domingo, 6 de maio de 2012

Feliz dia da Mãe

Mãe fofa e querida,

Quero escrever o quanto te amo e agradeço tudo o que tens feito por mim. É uma Mulher e Mãe com M grande: meiga, firme, tenaz, cheia de garra. Admiro a força que tens. És linda e cheia de energia. 
Hoje vou ter o privilégio de partilhar contigo mais um almoço caseiro dedicado a este dia, e espero que partilhemos muitos mais. 

Nota: vais fazer um dos pratos que mais gosto que faças: rolo de carne (com ovo no meio) com esparregado. Nham Nham! 
Tenho a certeza que o "Migaio" também vai gostar :)

Até já mãe querida, cá te espero com uma rosa na mão e muitos beijinhos

sábado, 5 de maio de 2012

Carta de Amor ao meu Bebé

...mais uma... :P

Amanhã é o Dia da Mãe. Do ano de 2012.

Meu querido M., meu "godinho", meu bochechas, meu amor,
Neste ano constato mais uma vez que a melhor coisa que já me aconteceu foi de facto ter sido mãe. O sentimento de amor desmesurado não é comparável a mais nada que já tenha sentido, o orgulho imenso em cada tarefa que fazes, cada palavra que dizes, cada beijinho que já me dás, cada abracinho que me envolve, cada birra de sono que só me faz sorrir e deixar de estar zangada por atirares com algo ao chão... TUDO o que tu fazes é fascinante. Não me canso de olhar para ti e ficar surpresa e agradecida por me estares a ensinar mais do que eu seguramente te estou a ensinar a ti. Eu a ti devo-te o melhor que sei e posso, porque quero e porque me sai naturalmente.
Estar contigo é sempre uma fonte de gargalhadas e boa energia. Se tenho um dia mau, quando vou ter contigo o meu espírito anima-se e esquece tudo. Se tenho um dia bom o estar contigo faz dele um dia ainda melhor. Simplesmente porque te amo imenso, porque és a melhor coisa do mundo.
Só tu me fazes mostrar o meu melhor lado. Contigo descobri uma meiguice, energia e instinto de protecção que desconhecia em mim por completo.
Apaixono-me por ti todos os dias. Por ti faria qualquer coisa. 
Amo-te muito muito muito.
Sei que um dia terás de voar, seguir o teu caminho e sei que a minha função é guiar-te o melhor que posso, amar-te o mais possível e assim dar-te segurança e as melhores ferramentas para fazeres com a tua vida aquilo que quiseres e puderes, para seres feliz com as tuas escolhas. Sei que és do mundo e não apenas meu.
Mas eu sim serei tua sempre. O meu coração, que bate mais depressa quando me chamas (e hoje em dia chamas-me muitas vezes), nunca esmorecerá, simplesmente porque serás sempre o meu bonequinho, o meu pequenino, o meu fofo que se porta sempre tão bem e que só precisa em troca de mimos e cuidados (e bolachas lol). Tudo aquilo que te dou não tem comparação com aquilo que me dás diariamente desde que apareceste na minha vida. És A fonte de alegria. 

Amanhã é mais um dia da mãe, mas é também mais um dia em que me lembras como sou sortuda por te estar a viver. Não preciso de prendas, só preciso de ti.

Amo-te daqui ao infinito.

A.



Episódio noturno:
Vim agora do quarto do M.
Começou a choramingar e como não parava, fui lá. Estava sentado a olhar para mim e não tinha chucha. Passeei as mãos pela caminha dele e nada. Então sussurei-lhe: M. a mamã vai-te buscar uma chucha e já vem, está bem?
Ele acena com a cabeça e deita-se.
(continuo fascinada com o facto de constatar que ele efectivamente percebe tudo o que lhe digo, ele, o M., aquele bebé de meses com movimentos descoordenados e próprios da idade, que nunca percebíamos se nos entendia ou não)
Vou à cozinha buscar uma chucha lavada e volto para lha dar. Ele está de novo sentado à espera, paciente. Faz um ruído de satisfação ao ver que volto com o objecto querido. Deita-se. Barriga para baixo, rabiosque para o ar. Tapo-o com o edredon e faço-lhe mais umas festinhas. Ele já dorme quentinho e seguro.

Home Sweet Home

É bom viajar, passear, arejar a cabeça. Mas é tão bom estar de volta a casa! ver as minhas coisas, os meus livros, os meus pratos e panelas, o meu quarto, etc etc.
Também são bons os momentos em que estou em silêncio, o M. dorme, e estou comigo. É tão bom! Fico eu, só eu, só comigo.
Os meus vizinhos têm um bébé novo (lol isto agora até parecia que ele foi encomendado numa loja online ou que tinham um bebé velho hihi) com 3 semanas. Volta e meia oiço aquele chorinho (que cada vez berra mais alto) non stop, insistente e meio desesperado. Aquele chorinho que nos faz fazer tudo e mais alguma coisa para o pararmos.
Lembra-me tempos em que tinha as hormonas ainda descontroladas, dias e meses sem dormir basicamente nada. Os recém-nascidos são uma coisa fofa e maravilhosa, mas por vezes o choro deles bule com os nervos de uma pessoa como mais ninguém o faz... :P

terça-feira, 24 de abril de 2012

Don't leave me

É o que o M. parece agora gritar todos os dias de manhã, quando o deixo na creche. Venho sempre arrasada para o trabalho. Anda mais carente ultimamente. 
Em várias situações (não só na escola) entra em stress se pensa que me vou embora. Uma chatice. Anteontem vinha escrito no caderno da escola dele que ele tinha tido uma manhã mazinha porque tinha estado sempre a querer a chucha e colo.
Sinto-me a morrer com ele assim. Preferia bem mais quando me ia embora e ele já estava todo contente noutra. Assim deixa-me de rastos... 
Só me apetece chorar.

quinta-feira, 19 de abril de 2012

Perfection



A perfeição são momentos, flashes de felicidade em que tudo se conjuga e se cria um momento ou algo perfeito.
Este fim-de-semana visitei uns vizinhos meus que têm agora um recém-nascido de uma semana. E tal como outros me visitaram com crianças mais velhas, também visitei eu este novo bebé e os seus papás babados.

Foi perfeito. O bebé. Os pais com olheiras. O beijo leve e íntimo que ela deu ao companheiro, espelho do momento especial e perfeito que estão a viver.
Claro que são tempos cansativos, mas é em nome da coisa mais perfeita que existe - um bébé. O milagre da vida, sem dúvida. Continuo a achar surreal como é que um ser se desenvolve dentro da nossa barriga. E de um momento para o outro não há nada e de repente está um bebé à nossa frente. Surreal. Nunca me vou habituar a isso.

Tal como outros comentaram comigo na altura, também eu comentei desta vez: "é tão pequenino, nem acredito que o meu filho também já foi assim deste tamanho". Se dantes ficava espantada como é que eles cabem dentro de uma barriga... agora vejo claramente - claro que cabem! são minúsculos! uma perfeição minúscula, microscópica.

É engraçado que à medida que o tempo passa reparo que vou dizendo e fazendo coisas que os outros já fizeram comigo. É tudo um ciclo. Por mais que não queiramos repetir-nos isso acaba por acontecer. Há experiências que são universais. E a experiência de ser pais é universal, as sensações destrambelhadas e ao rubro quando nascem, o cansaço e o maravilhamento, o crescente divertimento, etc etc etc.
Tal como me disseram a mim, eu digo também: ah mas vais ver quando ele começar a falar e interagir contigo...loll

O engraçado é que isso já eles fazem desde que nascem. Interagem sempre. Simplesmente isso torna-se mais fluído e compreensível com o passar do tempo. Antes de ir ver este bebé andei a ver vídeos do M. Tenho dezenas dele de todos os meses da vida dele. Ultimamente ando mais desleixada com as filmagens, mas hei-de retomar, porque vou seguramente continuar a apreciar revê-los volta e meia.

Desta vez vi uns vídeos curtos de quando estava sozinha em casa em licença de maternidade. Lindo! Ele com 2 meses e meio. Movimentos meio robóticos e pouco coordenados. Pequenos sorrisos quando eu me metia com ele. Sons estranhos sem nexo, mas já que espressavam felicidade, expressavam qualquer coisa. O babete sempre molhado de tanto bolsar leite. Uma cara redonda e sorridente, as perninhas a dar cheias de energia. Meu Deus. Como o tempo passa :) 

Agora está um miúdo safado, que percebe o que lhe digo, tem sentido de humor, e que consigo fazer rir em 30 segundos, passando do choro ao riso por vezes. Acho que temos de disciplinar e orientar as crianças com sentido de humor e mostrar-lhes que rir é o melhor remédio.

Hoje estava no elevador com o M. Como já aqui disse o M. é o senhor fitas, dramático da ponta dos pés à ponta dos cabelos. Felizmente o drama tanto vem como vai. E hoje mal saímos do carro ele começou a mendigar uma bolacha. Eu sempre a dizer que não tinha ali, que lhe dava quando chegássmos a casa, que estava no armário da cozinha. Mas não, eu estava seguramente a ludibriá-lo e a bolacha estava na minha mala (assim demonstravam as tentativas de a abrir) e eu não lha queria dar. E bolacha, bolacha, bolachaaaaa! Paciência, paciência, paciência LOL No elevador a choradeira começava já a ter lágrimas, cara feia, bolacha, bolachaaaaaa. Até que o virei para o espelho e disse a rir: olha o M. a chorar por causa de uma bolacha, olha ali! ai que cara feia que tenhoooo, ai o M.! olha, olha! Claro que aquela amostra de gente percebeu logo que eu estava a gozar com ele pelo tom de voz e começou também a rir-se. Sabia bem que estava a fazer teatro. Chegámos a casa e já nem se lembrava da bolacha lolll

Perfeição é isto. Momentos só nossos, momentos que nos unem. Perfeição é conceber uma criança e criá-la. Perfeição e felicidade é termos o privilégio de passar por isso. 

Cheira-me que vou visitar o bebé S. e a mamã S. só pelo puro prazer de observar os momentos de perfeição deles. É bom ter os nossos. Mas também é bom ver o dos outros.
É contagiante.

quarta-feira, 18 de abril de 2012

Porquinha perfumada

No outro dia perguntaram-me se, estando sozinha com o M., tinha tempo de tomar banho.
Fartei-me de rir com a pergunta e fiquei surpreendida. Claro que só alguém com filhos (e tendo já tido a experiência de ficar sozinho com eles) pode perguntar tal coisa.
A resposta é: nem sempre. Há muitas e muitas vezes que não tenho tempo e saio de casa porquinha e sem ver uma ponta de água. Outras vezes vejo algumas pontas LOL é consoante dá.
Não é algo de que me orgulhe LOL Mas é assim a vida :P  Não há tempo, não há tempo, há que arranjar o bidu e depois tentar chegar a horas ao trabalho.
Felizmente existem os banhos à noite e afins.
Tudo se faz. Mas tento sempre sair bonita ahahaha
Óinc óinc!

terça-feira, 10 de abril de 2012

Baby sick

Me sick too.O meu bochechas está de novo com otite (ainda a confirmar). Nem o raio do tratamento preventivo faz efeito... Mais dentes está-se mesmo a ver. Mesmo. Mesmo. É baba a rodos. E tanta tosse. 4 noites quase sem dormir à conta de tossir é dose para um pequenino. Chora de irritação, chama Mamã, quer colo. A mamã lá vai as vezes que forem preciso dar mimo, festinhas na cabeça e por a chucha. Está tudo bem amor. A febre começa a despontar. Vai ter de haver médico hoje. Já antevejo antibiótico...
Estou exausta. 
Custa-me levantar os braços até para escrever coisas ao computador. 
I need sleep and a some medicine too. I'm hot, then i'm cold. (bem, isto agora de repente parece a canção da Katie Perry ahahahahahaha)

terça-feira, 27 de março de 2012

Mimi

Devo dizer que nos seus longos meses de vida o M. tem-se mostrado sempre bastante independente. Nunca se prendeu a nenhum peluche, não tem nenhum brinquedo favorito - tem vários dependendo para onde está virado na altura.
A dormir - nunca dormiu agarrado a nenhuma fraldinha, a nenhum boneco, etc.
Ontem, pela primeira vez, quando o deitei, ele ficou como sempre quietinho e a esfregar os olhos; e quando eu já me ia embora ele diz: Mimi!
 - Mimi? queres a Mimi fofinho?
- Xim.
- Então fica aí que a mamã já vai buscar a Mimi.
(risos de satisfação do M.)
Saio, a Mimi está na sala largada no chão, ao Deus dará lol
Chego ao quarto com a Mimi na mão e o M. faz mais um som de satisfação.
E a Mimi fica finalmente nos braços do seu amado, bem agarradinha a ele, e juntos embalam num soninho quentinho :)